Entretenimento

Bella Schneider fala sobre remix de “SIM” por Ico dos Anjos

“SIM”, música lançada recentemente pela cantora e compositora Bella Schneider, acaba de ganhar uma versão remix com ritmos dançantes do oriente. Produzido pelo músico e produtor maranhense Ico dos Anjos, o novo remix ecoa nomes como Major Lazer e Drake. Daquelas faixas para serem ouvidas em repeat! 

Sendo o segundo single do álbum “ELA”, trabalho de estreia da cantora pernambucana, que conta com a produção musical de Diego Marx (Scalene, Festival CoMA, vencedor do GRAMMY®) e em breve chega ao mercado com distribuição da LAB 344.

Lançada recentemente, “SIM” ganhou uma nova versão remixada pelo produtor Ico dos Anjos. O que você achou dessa nova adaptação da música?

Eu amei essa releitura oriental de uma das músicas que mais amo no álbum! Acho que música tem de transmitir energia. Depois disso vem a mensagem, e nessa música o tema – superação – é forte, relevante, atual, porém retratado de uma maneira leve e dançante. Esse combo caracteriza o meu estilo como artista, e ver isso se manter no remix é incrível!

Essa música é o segundo single do seu álbum de estreia “ELA”. Como foi o trabalho nesse primeiro projeto?

Esse trabalho será sempre uma experiência enriquecedora pra mim como artista e ser humano. É muito significativo traduzir nossos sentimentos através da arte, e emociona impactar positivamente as pessoas e a sociedade.

“ELA” é um disco muito forte apesar de ser o meu primeiro. Foi um processo cheio de desafios, desde o fato de escrever em português até o encontro com um novo momento de vida e estilo musical. É realmente especial a maneira como tudo fluiu, e como eu pude contar com pessoas maravilhosas pra tornar isso possível!

Foto: Divulgação

Como foi trabalhar com o produtor Diego Marx no álbum?

Foi uma delícia! O Diego é um grande produtor musical, e uma pessoa igualmente grande. Ficávamos enfurnados no estúdio dele gravando dia e noite. Levei algumas composições para maturar, outras começaram lá, boa parte da produção também foi assim, pois curto muito acompanhar cada processo, inclusive a pós-produção que teve mixagem do Henrique Andrade de Los Angeles, também vencedor do GRAMMY, e master diretamente da Holanda com e-mastering.

Quando eu estava no Recife também não parávamos de produzir, mesmo que a distância. O processo foi longo, minucioso, mas cheio de animação. Estamos muito felizes com todo o trabalho, que está sendo perfeitamente envelopado pela direção de arte do Tiago Selva.

O que a inspirou a compor “SIM” e “NADA”?

Todas as minhas músicas tem muito de mim. Seja por experiências que eu vivi, sonhos que eu gostaria de viver, ou minha visão sobre experiências de outros que observei. No caso das composições desse disco, a minha ligação é bem direta, pois eu vivi o que conto ali. Em “SIM”, superei a depressão, e vi que tudo é questão de ótica. Nós estaremos sempre no comando de nossas vidas e ninguém mais. É importante ser realista, porém nunca pessimista. 

Em “NADA”, discuto sobre posturas como egoísmo, que afeta a todos seja direta ou indiretamente. É um pedido para acordar pro mundo e ver que nem tudo pode ou deve ser do jeito que se quer, e que o respeito pelas escolhas dos outros é extremamente importante.

Conte-nos um pouco sobre seu início na música.

Eu sempre adorei de me expressar artisticamente. Desde criança já brincava de me apresentar. Entre estudo e autodidatismo, aprendi instrumentos, dança, canto e teatro. Aos 5 anos compus minha primeira música. Aos 11 cantei e dancei em teatros. Aos 14 fazia shows. Aos 17 lancei meu primeiro EP. Aos 19 cantava nos EUA e Europa. Aos 20 venci prêmios e minhas músicas tocavam em rádios no Brasil e no mundo. Aos 22 participei de realities nacionais. E hoje, estou lançado o trabalho que melhor me define no momento. Estou muito feliz, lutando sempre pra evoluir e levar o que tenho de melhor pra adicionar à mais e mais pessoas!

Deixe uma mensagem.

“NADA” melhor do que usar palavras das minhas músicas pra isso, né? “SIM” é uma composição muito válida para o momento que estamos vivendo nessa pandemia. “As minhas asas ficaram fracas, mas não desisto de tentar voar.” Nós vamos passar por isso! Longe fisicamente, porém juntos! Um abração e bisous virtuais para vocês!

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top