Famosos

Pharrell Williams proíbe Trump de usar sua música como o presidente tocou “Happy” após o tiroteio de Pittsburgh

(Por The Independent)

Pharrell Williams proibiu Donald Trump de usar sua música.

O advogado do cantor enviou uma carta de cessar-fogo ao presidente depois que ele tocou seu hit single “Happy” em um evento durante o fim de semana, apenas algumas horas depois que quase uma dúzia de pessoas foram mortas em uma sinagoga de Pittsburgh.

“No dia do assassinato em massa de 11 seres humanos nas mãos de um ‘nacionalista’ enlouquecido, você tocou sua música ‘Feliz’ para uma multidão em um evento político em Indiana”, escreveu Howard King na carta, que desde então sido obtido pelos EUA HOJE.

Embora tenha notado que a implantação da música foi inoportuna, o advogado de Williams também destacou que ela foi usada em violação de “violação de direitos autorais” e de “direitos de marca registrada”.

King acrescentou: “Não houve nada” feliz “sobre a tragédia infligida ao nosso país no sábado e nenhuma permissão foi concedida para o uso desta música para este propósito.”

De acordo com a carta, Williams “não vai” permitir que Trump use música de seu catálogo em qualquer evento futuro.

Numerosos músicos se opuseram ao uso que Trump fez de sua música no passado. No início deste ano, Steven Tyler, do Aerosmith, interveio quando o presidente tocou sua música “Livin ‘on the Edge” em uma manifestação em Charleston e “criando a falsa impressão” que ele havia aprovado em seu uso.

Mais de Pharrel Williams

Quando se trata da indústria da moda, há uma linha aparentemente delicada entre apropriação e valorização e as marcas nem sempre acertam.

Caso em questão, Pharell Williams e a última colaboração da Adidas inspirada nas celebrações de Holi na Índia e no Nepal.

A coleção, que é formada por coloridos treinadores, camisetas e jaquetas, teve como objetivo destacar a natureza festiva do “festival de cores”, onde multidões de hindus se reúnem para comer, beber e cobrir seus corpos em pós coloridos.

No entanto, após uma recente viagem à Índia para promover a coleção “Hu Holi”, Williams e Adidas foram criticadas no Twitter por se apropriarem da cultura indiana por causa da moda.

Incitando comentário de usuários de mídia social irritados, muitos sugeriram que as marcas do festival tradicional estavam sendo capitalizadas pela dupla para seu próprio ganho, sem credenciamento adequado.

“Algo sobre a nova coleção da Adidas grita apropriação cultural … Usando nosso festival para vender uma marca, e é o sapato em cima de tudo, que os hindus se ofenderiam facilmente e não há sequer uma celebridade indiana diante dela”, disse um deles. pessoa escreveu.

Outro acrescentou: “Uma empresa européia recebendo um músico americano para comercializar uma linha de vestuário / calçados inspirada em um festival indiano. Yuppp, tecnicamente, isso é apropriação cultural ”.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top