Famosos

Woody Allen diz que não vai parar de escrever apesar da condenação de Hollywood: “É o que eu faço”

(por The Independent)

Woody Allen disse que continuará a escrever, apesar do movimento #MeToo desencadear uma nova onda de condenação ao diretor por alegações de abuso sexual.

Ele disse a Page Six: “Eu sou um escritor. É o que eu sou. O que eu faço. O que sempre serei. Vou escrever. Já que tenho idéias continuamente, serão novas idéias e eu escreverei coisas novas”. .

Em 1992, a ex-sócia de Allen, Mia Farrow, entrou em contato com as autoridades depois que sua filha, Dylan, supostamente descreveu abuso sexual por parte do diretor. Embora Allen tenha repetidamente negado as acusações e não tenha sido acusado criminalmente, Farrow recebeu a custódia total depois que um juiz achou o testemunho de Dylan confiável.

O último filme de Allen, A Rainy in New York – estrelado por Timothée Chalamet, Elle Fanning, Rebecca Hall e Selena Gomez – foi originalmente escolhido para distribuição pela Amazon, mas ainda não recebeu uma data de lançamento ou qualquer material promocional. Relatórios sugerem que ele foi arquivado indefinidamente.

Vários membros do elenco expressaram pesar pelo envolvimento no filme; Chalamet, Hall, Gomez e Griffin Newman doaram seus salários para caridade.

O diretor, no entanto, também encontrou adeptos naqueles com quem já trabalhou anteriormente. Javier Bardem, que estrelou o filme de Allen, Vicky Cristina Barcelona (2008), tem evitado as críticas do cineasta, tendo dito que “não está” absolutamente envergonhado por ter trabalhado com ele. Diane Keaton também disse sobre Allen: “Ele é meu amigo e eu continuo acreditando nele”.

Mais sobre Woody Allen: Javier Bardem ‘chocado’ pelo tratamento de Woody Allen: “Tenho minhas dúvidas”

Javier Bardem saltou em defesa de Woody Allen apesar das alegações de que o diretor atacou sua filha adotiva quando ela era criança.

O ator, que estrelou o filme de Allen, Vicky Cristina Barcelona (2008), evitou críticas ao cineasta dizendo à publicação francesa Paris Match que “absolutamente não” se envergonha de ter trabalhado com ele.

“Se houvesse provas de que Woody Allen era culpado, então sim, eu teria parado de trabalhar com ele, mas tenho dúvidas”, disse Bardem.

Ele continuou: “Estou muito chocado com este tratamento repentino. Julgamentos nos estados de Nova York e Connecticut o acharam inocente. A situação legal hoje é a mesma de 2007. “

Diane Keaton defende Woody Allen contra acusações de abuso sexual

A atenção voltou-se para o diretor e roteirista Allen, quando o movimento #MeToo ganhou força em Hollywood, com muitos esclarecimentos sobre as acusações feitas contra ele pela filha adotiva Dylan Farrow. Eles datam de 1992.

Os sentimentos de Bardem ecoam os de Alec Baldwin e sua co-protagonista Annie Hall, Diane Keaton, que descreveu as críticas de Allen como “injustas e tristes” em janeiro, apesar de muitos atores – incluindo Timothée Chalamet e Rebecca Hall – expressarem arrependimento por trabalhar com ele. O primeiro doou toda a sua taxa recebida no próximo filme A Rainy Day, em Nova York, para o fundo Time’s Up.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top